Assista ao clipe de “Somos todo mundo”, música exclusiva de Karina Buhr para a campanha #VoteLGBT, com ilustrações de Laerte <3

ACORDA, ALICE!

 

Não vamos entrar em méritos de qual partido e sistema político-econômico é o melhor ou mais viável. Essa discussão é importante, mas não é o nosso objetivo aqui. Nós partimos de uma constatação simples: o Brasil anda uó para quem é LGBT.

 

É inquestionável que tivemos vários avanços nos últimos anos, tanto nas instituições (como a aprovação do casamento igualitário pelo Superior Tribunal Federal) quanto na cultura em geral (teve até selinho gay em novela da Globo!). Mas também é inquestionável que esses avanços estão sendo constantemente ameaçados por uma reação conservadora, LGBTfóbica, cada vez mais organizada, a nível nacional. E o Brasil ainda é um dos países que mais matam travestis, transexuais, bissexuais, gays e lésbicas no mundo!

 

A bancada evangélica do Congresso Nacional, que elegeu 36 integrantes em 2006, saltou para 73 parlamentares nas eleições de 2010. O resultado disso é conhecido: LGBTfóbicos tomaram a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, o projeto de “cura gay” quase foi votado, a presidenta foi pressionada a vetar o kit Escola sem Homofobia. E, neste ano, há um aumento de 47% de candidatos que utilizam o título de pastor no nome da urna.

 

Claro que evangélicxs não são nossxs inimigxs. Mas a bancada evangélica, especificamente, é formada por LGBTfóbicos que atuam visando o retrocesso das políticas públicas em favor da diversidade! O ódio é a principal bandeira desses políticos e de seus aliados. Quanto mais força essa gente tiver, mais perigoso o Brasil vai ser para xs LGBTs (e para xs negrxs, as mulheres, para todo mundo que não se encaixa no padrão que essas pessoas querem impor).

 

Se você acha que é impossível que o Brasil se torne um país oficialmente horroroso para xs LGBTs, está na hora de acordar, Alice! Veja o que está acontecendo em Uganda, na Nigéria, na Rússia. Nesses países, LGBTs viraram bode expiatório e estão sendo presxs, torturadxs e condenadxs à morte.

 

 

FAZER A EGÍPCIA NÃO RESOLVE NADA

 

 

Agora não é hora de se abster. As eleições vão acontecer, e o voto no Brasil é obrigatório. No dia 5 de outubro, a gente tem uma oportunidade real de mostrar força. Agora, mais do que nunca, a nossa força é necessária.

 

Nas passeatas e protestos, a gente sempre grita: “A nossa luta é todo dia, contra o machismo, o racismo e a homofobia!”. Depois das eleições, a nossa luta vai continuar sendo todo dia. LGBTs correm riscos diários de apanhar, de serem expulsxs de casa, de serem assassinadxs só por serem quem são. Nenhuma eleição vai resolver todos os nossos problemas.  Mas é inquestionável que nossa subrepresentação no Congresso afeta diretamente nossas possibilidades de obter avanços em termos de políticas públicas. Pra cada deputado intolerante, que pelo menos um/a de nós se levante. A gente precisa ocupar todos os espaços, inclusive o Congresso Nacional.

 

É importante lembrar que nem todx LGBT é pró-LGBT. E que tem muito hétero brigando muito de maneira séria por esse tema. Por isso, a gente tem que votar em quem defenda as LGBTs, independente de orientação sexual e identidade de gênero. Recomendamos também que você se informe sobre os partidos, as coligações e as relações institucionais – a leitura da Cartilha LGBT Eleições 2014, elaborada pelo site LGBT Brasil, é muito esclarecedora.

 

Nesta campanha, nos esforçamos por listar todxs xs candidatxs, independente de partido político, que se declaram explicitamente a favor de LGBTs (clique no seu estado ou no cargo para ver a lista correspondente). Se você conhecer algumx candidatx que não está listadx aqui, conta pra gente, no votelgbt@gmail.com.

 

 

O #VoteLGBT é um movimento suprapartidário que não é realizado sob a responsabilidade de partidos, nem por eles pago.
Além disso, é livre a manifestação do pensamento por meio de plataformas disponíveis na rede mundial de computadores, de acordo com Resoluções do Tribunal Superior Eleitoral.

  • Maicon Sérgio

    Parabéns pela iniciativa! No próximo mandato Jean Wyllys não estará sozinho no congresso!

  • Site maravilhoso pra quem quer se informar sobre os candidatos pró-LGBT. Nós precisamos nos organizar mais e apoiar quem tem projetos que nos apoiem e pensar que há muito mais candidatos além dos que a mídia impõe pra população. Uma pena que não tenha nenhum candidato no meu estado RN aqui 🙁

  • Greg

    Concordo!! Como sugestão construtiva, respeitem a língua portuguesa e escrevam corretamente! No mais, meus parabéns!

    • Ka

      Como escrever corretamente? Quem estabeleceu o que é o correto: é escrever tudo no masculino, segundo as “normas”? E por que não escrevemos tudo no feminino? Hmmm… Perguntas, perguntas… Pra gente não deixar de se questionar sobre o mundo e lembrar que nossa história é hegemonicamente contada por homens. Acredito que é uma questão de costume ler com o X, quando se acostuma não é complicado e ainda dá-se a possibilidade da pessoa ler como quiser, no feminino, no masculino…

  • Jon Paredes

    Que bom ter achado esse site.
    Eu e minha irmã estávamos assisitindo as propagandas políticas e eu brinquei com ela:
    – Se algum canditado disser que vai “defender a família”, não vota porque é homofóbico. Daí, quase metade dos canditados à deputado disseram exatamente isso. Pfff…

  • Pingback: Ensaio sobre o “voto gay” | revista o Viés()

  • Fernando Carvalho

    Tem dez anos que eu não voto, esta seria já a quinta eleição que não votaria, estava convencido em pagar os R$3,50 da multa por me recusar em participar do circo que são as eleições. No entanto, frente ao contexto político hoje, o que, infelizmente, não é só no Brasil, e que vcs descreveram muito bem no manifesto, a ascensão de pensamentos neo-nazistas, e este risco eminente do fundamentalismo religioso se institucionalizar nos aparelhos de Estado do nosso país, estou certo que são os LGBT quem tem peito para dar de dedo na cara dessa bancada do ódio.
    Creio que votar em um candidato LGBT e eleger quantos muitos mais é o que precisamos, hoje, para parar as perseguições, não só contra os lgbt’s, mas igualmente contra as religiões de raiz africana, a questão indígena, e de todos os movimentos sociais, tal qual o movimento lgbt também é parte integrante deste todo que, a sua maneira específica, sofrem seus opressões. A principal força hoje em nosso país para fazer frente a esta bancada do ódio, são os lgbt. Portanto, depois de 10 anos sem dar meu voto para ninguém vou escolher os candidatos a partir dos listados aqui por vocês (isso é muito significativo para mim).
    Só espero que os candidatos eleitos comprometidos com a questão lgbt tenham no Jean Willys uma grande referência em lutar pelo fim de todas as opressões, as próprias opressões enquanto lgbt’s, mas igualmente reconhecer a opressão do outro e lutar por ela com ética, esclarecimento, e comprometimento.
    Parabéns pela iniciativa, estou divulgando o site de vocês onde posso, e falando dessa campanha maravilhosa que vocês estão fazendo.
    São os pastores quem rezam, e são os lgbt’s quem podem nos livrar deste mal!

    • Dyego/SP

      Faço das suas palavras as minhas tbm…votava sempre NULO acreditando não existir nenhum candidato realmente engajado com as causas LGBTs, as bancadas do ódio crescendo cada vez mais e os LGBTs só preocupando-se com as baladinhas, paradas e movimentos…mas qdo se tratavam de causas políticas das quais realmente são imprescindíveis para um governo com igualdade de direitos legítimos a TODOS, eu percebia que ninguém se importava… Hoje essa realidade já não existe mais e vejo os LGBTs acordando e enfrentando de peito aberto as causas, para que no futuro possamos ter a mesma igualdade de direitos em todos os aspectos.
      Hoje já escolhi e vou cobrar assiduamente meus candidatos em prol das defesas e direitos legítimos dos Lgbts

  • Roberto Fukumaro

    O Fórum Mogiano LGBT entregou carta compromissos aos candidatos do Alto Tietê, proposta de agenda política em comum com outras organizações LGBT deixando claro que independente de ser candidato heterossexual ou LGBT, mas que tem proposta ao segmento social, temos na nossa planilha nomes em comum com #Vote LGBT e outros que não constam com a associação. Na nossa lista estamos panfletando nas casas noturnas para a comunidade LGBT como referência, chama a atenção que alguns candidatos como a Dep. Leci Brandão por mais insistência que ocorreu com sua assessoria não assinou a carta compromisso e portanto esta até o momento excluída da nossa relação. Parabéns ao trabalho da #Vote LGBT.

  • Pedro

    Precisamos mesmo começar a encarar essa luta diariamente, pois quando tudo aparenta estar ficando melhor, ocorre um surto de homofobia pelo país. Já chega, agente só quer viver, sem ter que passar por cima de ninguém pra isso.

  • Vicentte

    divulguei o site nas minhas listas de emails, e mandei pros meus contatos do celular 🙂

  • Dyego/SP

    Parabens pelo site, estava na dúvida em quem realmente eu poderia votar para candidatos engajados na causa LGBTs, mtas mortes e preconceitos que estão destruindo famílias devido a falta de politicas publicas LGBTs…o site foi a melhor invenção de todas…facilita muito a escolha de nossos candidatos!! Sugiro que mesmo após as eleições o site continue crescendo, apresentando os candidatos eleitos, como andam seus projetos, formas de ajudá-los na aprovação dos projetos e meios de cobrança para que os candidatos cumpram com seu dever para um País melhor…

  • Dyego/Sp

    eu votarei p/SP – Dep.Estadual (Silvetty) e Dep.Federal (Léo Aquilla)

  • Pingback: Movimento #VoteLGBT diz que núcleos LGBT são invisíveis dentro dos próprios partidos - Lado Bi()

  • Pingback: Sex Politics » Blog Archive » Pelo mundo()

  • Pingback: Sex Politics » Blog Archive » PELO MUNDO()

  • Pingback: Sex Politics » Blog Archive » PELO MUNDO()

  • Marcelo

    Esses homofóbicos ignorantes já pensam logo em sexo e gerar filhos quando se fala de direitos gays. Meu caro ignorante, ser gay não se resume a isso. Até parece que os heterossexuais só fazem sexo para gerarem filhos.

  • MFernandes

    Mateus, será que é tão difícil entender que os casais ficam juntos por amor, afinidades, respeito, admiração mútua, etc, e não necessariamente só para procriar.